domingo, 20 de março de 2016

O Triscle



Desde que iniciei minha missão no Lótus acabei me afastando da magia prática ficando voltada para praticas meditativas, mas minha alma sente saudades. Foram muitas vidas nesta energia. Estes dias olhando o Triscle, senti saudades deste tempo e fiquei a meditá-lo. O resultado foi ver o pório laço do carma se desfazendo. Percebi que deveria elevar as praticas da magia natural para uma nova oitava e não permitir que abrissem linhas de passado. Um passado onde a miseria, a fome e a perseguição religiosa eram terríveis e inconscientemente acabamos a cada abertura, por canalizar estas memórias de dor e conflitos junto com ela. 

Fui então buscar os Druidas e bruxas que ascencionaram para ver suas vidas. Fui bem além da 30ª dimensão e fui recebida por três mulheres: uma chinesa, um negra e uma ruiva. Uma de branco, outra de laranja e outra de vermelho, com seus cintos celtas e cada uma com um medalhão de ouro astral com a pedra da cor do vestido ao meio. Elas já estavam me esperando.

Seja bem vinda, disse a chinesa. Não estranhe. Estamos com você a muitas eras, mas somente nos acessa se focar nisso. Representamos as 3 principais vertentes magicas que sua alma ama. 

Perguntei por uma índia e elas sorriram e disseram que a imagem que tenho da magia indígena era de um velho pajé narigudo, e riram com graça.

No que repensei meus conceitos, instantaneamente chegaram duas outras mulheres: uma índia Guaraní e uma havaiana. Cada uma com sua cor de roupa sendo a guarani verde e a havaiana de azul. Cada uma representava um movimento da energia: metal, madeira, fogo, terra e água. 

Perguntei então como ficaria o triscle sendo elas 5. Então a Havaiana respondeu o óbvio energético: Da unidade (pois somos uma unidade) saem três elementos chave: fogo, água e terra que se movem de 5 formas dando origem a tudo o que existe. 

Muito mais foi revelado e outro dia publico aqui, por hora vamos a explicação do site que achei muito interessante

https://www.flickr.com/photos/pixelsdatha/3009915205

"Triskle é um símbolo celta que representa as tríades da vida em eterno movimento e equilíbrio.

nascimento, vida e morte
corpo, mente e espírito
céu, mar e terra
 Este importante símbolo, também conhecido como triskele, triskelion ou tryfot, é uma espécie de estrela de três pontas, geralmente curvadas, o que confere ao símbolo uma graciosa fluidez de movimento. Pode ainda ser definida como um conjunto de três espirais concêntricas. É um dos elementos mais presentes na arte celta, e tem sua origem atribuída aos povos mesolíticos e neolíticos. O triskele é um antigo símbolo indo-europeu. Também era utilizado por povos germânicos e gregos.
 Os Celtas consideravam o três como sendo um número sagrado. A primitiva divisão do ano em três estações - primavera, verão e inverno - pode ter tido seu efeito na triplicação de uma deusa da fertilidade com a qual o curso das estações era associado.
 Ou seja, o triskle, com suas três pontas, está associado ao fluxo das estações e por conseqüência representa a própria Deusa. Ademais, temos uma conexão óbvia com as três faces da Deusa (Donzela, Mãe e Anciã), bem como às três fases da lua (crescente, cheia e minguante), ou ainda com nossa natureza tríplice (corpo, mente e alma). Assim sendo, fica clara a importância do triskle para a religião da Deusa. Sua presença em achados arqueológicos em terras celtas, da Irlanda à Europa Oriental, atesta sua ampla adoção pelos Antigos.
 A iconografia continental atribui grande ênfase ao simbolismo da tríade, o conceito da triplicidade, e o conteúdo mítico-literal ausente no continente é amplamente fornecido pela infindável variação desse tema na literatura irlandesa e galesa.
 Os Celtas consideravam o três como sendo um número sagrado. A primitiva divisão do ano em três estações - primavera, verão e inverno - pode ter tido seu efeito na triplicação de uma deusa da fertilidade com a qual o curso das estações era associado."

De Thais Ribeiro

 


2 comentários:

Indiara de Lisboa Selliach disse...

Adorei a publicação...é sempre maravilhoso adquirir novos conhecimentos e o melhor,poder compreender com outros olhos algo que já conhecia...

Indiara de Lisboa Selliach disse...

Adorei a publicação...é sempre maravilhoso adquirir novos conhecimentos e o melhor,poder compreender com outros olhos algo que já conhecia...